Cluster de Failover

Aplica-se a: Windows Server 2008 R2

Quais são as principais alterações?

No Windows Server® 2008 R2 Enterprise e no Windows Server 2008 R2 Datacenter, as alterações feitas nos clusters de failover incluem o seguinte:

Observação
O recurso cluster de failover não está disponível nas edições Windows® Web Server 2008 R2 ou Windows Server® 2008 R2 Standard.

As seções a seguir fornecem detalhes adicionais sobre essas alterações.

O que um cluster de failover faz?

Um cluster de failover é um conjunto de computadores independentes que trabalham em conjunto para aumentar a disponibilidade de aplicativos e serviços. Os servidores em cluster (chamados de nós) são conectados por cabos físicos e por software. Se um dos nós do cluster falhar, o outro nó começará a fornecer o serviço (um processo conhecido como failover). Os usuários vivenciam um mínimo de interrupções no serviço.

Quem se interessará pelo cluster de failover?

Os clusters de failover são usados por profissionais de TI que precisam fornecer alta disponibilidade para serviços e aplicativos.

Existe alguma consideração específica?

A Microsoft oferece suporte para uma solução de cluster de failover somente quando todos os componentes de hardware estiverem marcados como "Certificado para Windows Server 2008 R2". Além disso, a configuração completa (servidores, rede e armazenamento) deve passar em todos os testes do Assistente para Validar Configuração, que está incluído no snap-in Gerenciador de Cluster de Failover.

Observe que essa diretiva é diferente da diretiva de suporte para clusters de servidores no Windows Server 2003, que exigia que toda a solução do cluster estivesse listada nas Soluções de Cluster do Windows Server Catalog.

Que nova funcionalidade é fornecida?

  • Cmdlets do Windows PowerShell para clusters de failover. O Windows PowerShell é um novo shell de linha de comando e uma nova tecnologia de geração de scripts que usa sintaxe consistente e padrões de nomenclatura entre funções e recursos no Windows Server 2008 R2. Os novos cmdlets para clusters de failover fornecem um meio sofisticado de gerar scripts das tarefas de configuração e gerenciamento do cluster. Futuramente os cmdlets do Windows PowerShell substituirão a interface de linha de comando Cluster.exe.

    Se você usar a opção de instalação Server Core do Windows Server 2008 R2 para o cluster de failover, os cmdlets do Windows PowerShell para cluster de failover simplificarão o gerenciamento local do cluster.

  • Opção de permissões somente leitura. Você pode atribuir permissões somente leitura a um usuário ou grupo que necessite visualizar o cluster, mas não alterar sua configuração.

  • Volumes Compartilhados do Cluster. Com os Volumes Compartilhados do Cluster, a configuração de máquinas virtuais em cluster (com o suporte do recurso Hyper-V) está muito mais simples do que antes. Com esses volumes:

    • Você pode reduzir o número de LUNs (discos) necessários para as máquinas virtuais, em vez de ter de gerenciar um LUN por máquina virtual. (Anteriormente, a configuração recomendada era um LUN por máquina virtual, porque o LUN era a unidade de failover.) Muitas máquinas virtuais podem usar um único LUN e podem executar failover sem causar failover em outras máquinas virtuais no mesmo LUN.

    • Você pode utilizar melhor o espaço em disco, porque não precisa colocar cada arquivo do disco rígido virtual (VHD) em um disco separado com um conjunto extra de espaço livre somente para aquele arquivo de VHD. Em vez disso, o espaço livre de um Volume Compartilhado do Cluster pode ser usado por qualquer arquivo VHD nesse LUN.

    • Ficou mais fácil rastrear os caminhos dos arquivos VHD e outros arquivos usados por máquinas virtuais. Você pode especificar os nomes dos caminhos, em vez de identificar discos por letras de unidades (limitado ao número de letras do alfabeto) ou identificadores chamados de GUIDs (que são difíceis de usar e lembrar). Com os Volumes Compartilhados do Cluster, o caminho parece estar na unidade do sistema do nó, na pasta \ClusterStorage. Entretanto, esse caminho é o mesmo quando visualizado em outro nó do cluster.

    • Se usar alguns Volumes Compartilhados do Cluster para criar uma configuração que dê suporte a muitas máquinas virtuais em cluster, você pode executar a validação mais rapidamente do que com uma configuração que usa muitos LUNs para dar suporte a tantas máquinas virtuais em cluster. Com menos LUNs, a validação é mais rápida. (Realize a validação executando o Assistente para Validar uma Configuração do snap-in Clusters de Failover.)

    • Não há requisitos especiais de hardware além do que já é necessário para o armazenamento em um cluster de failover (embora os Volumes Compartilhados do Cluster exijam NTFS).

    • A resiliência aumenta porque o cluster pode responder corretamente mesmo se a conectividade entre um nó e a rede SAN for interrompida ou parte de uma rede cair. O cluster fará um novo roteamento do tráfego dos Volumes Compartilhados do Cluster por uma parte intacta da SAN ou rede.

Que funcionalidade atual está mudando?

A lista a seguir resume os aprimoramentos nos clusters de failover:

  • Testes adicionais na validação do cluster. Com a construção de testes adicionais no Assistente para Validação de Cluster, no snap-in Cluster de Failover, você pode fazer ajustes finos na configuração do cluster, controlar a configuração e identificar problemas potenciais antes que eles causem um período de inatividade.

  • Suporte para serviços em cluster adicionais. Além dos serviços e aplicativos disponíveis que você podia configurar em um cluster antigamente, agora é possível formar um cluster com os servidores membro da Replicação DFS (sistema de arquivos distribuído) e com um Agente de Conexão de Área de Trabalho Remota (outrora chamado Agente de Sessão dos Serviços de Terminal).

  • Opções adicionais para migrar configurações de um cluster para outro. O Assistente para Migração incorporado no snap-in Cluster de Failover pode migrar as configurações de clusters que estão executando as plataformas Windows Server 2003, Windows Server 2008 ou Windows Server 2008 R2, não apenas as que executam o Windows Server 2003, como era o caso no passado. Esse assistente também pode migrar as configurações dos tipos e grupos de recursos adicionais.

  • Opções para migrar uma máquina virtual para outro nó com pouca ou nenhuma interrupção para os clientes. O Windows Server 2008 R2 inclui a migração ao vivo, uma opção para mover uma máquina virtual para outro nó de uma forma que normalmente mantém os clientes conectados à máquina virtual. Inclui também os recursos de migração rápida e movimentação de máquinas virtuais, opções similares às disponíveis nos clusters que executam o Windows Server 2008.

Testes adicionais na validação do cluster

O assistente para validação do cluster anteriormente incluía testes que eram úteis para testar um conjunto de servidores, suas redes e armazenamentos conectados, antes da formação do cluster. Além disso, eles ajudavam na verificação de um cluster quando uma alteração era feita, por exemplo, uma mudança na configuração do armazenamento. Esses testes continuam disponíveis, com um conjunto adicional de testes. Os novos testes são chamados de testes de Configuração do Cluster e ajudam a verificar as configurações que estão especificadas dentro do cluster, por exemplo, as que afetam como o cluster se comunica com as redes disponíveis. Eles analisam sua configuração atual de cima para baixo, até as propriedades específicas dos recursos no cluster, para verificar se as práticas recomendadas foram empregadas. Você também pode usar os testes de Configuração do Cluster para examinar e arquivar as configurações dos serviços e aplicativos no cluster (incluindo as dos recursos dentro de cada serviço ou aplicativo).

Com esses testes, você pode fazer ajustes finos na configuração do cluster, controlar a configuração e identificar possíveis problemas antes que eles causem um período de inatividade. Isso é útil para otimizar sua configuração e compará-la com as práticas recomendadas que você identificou para sua organização.

Suporte para serviços em cluster adicionais

Além dos serviços e aplicativos que podiam ser configurados anteriormente em um cluster de failover, agora é possível configurar:

  • Agente de Conexão de Área de Trabalho Remota (antigamente conhecido como Agente de Sessão dos Serviços de Terminal): Oferece suporte ao balanceamento de carga e reconexão da sessão em um farm de servidores de área de trabalho remota com balanceamento de carga. O Agente de Conexão RD também é usado para fornecer acesso a usuários usando programas RemoteApp e áreas de trabalho virtuais pelo RemoteApp e Conexão da Área de Trabalho.

  • Replicação DFS A Replicação DFS é um mecanismo de replicação eficiente de mestre múltiplo, que você pode usar para manter pastas sincronizadas entre servidores através das conexões de rede de largura de banda limitada. É possível inserir no cluster qualquer servidor membro no grupo de replicação.

Opções adicionais para migrar configurações de um cluster para outro

O Assistente para Migração incorporado no snap-in Cluster de Failover pode migrar configurações de um cluster que execute as plataformas Windows Server 2003, Windows Server 2008 ou Windows Server 2008 R2, não estando mais limitado apenas aos clusters que executam o Windows Server 2003, como era antigamente. Como no passado, o assistente pode migrar as configurações dos seguintes grupos de recursos:

  • Servidor de arquivos

  • protocolo DHCP

  • Aplicativo genérico

  • Script genérico

  • Serviço genérico

  • Servidor WINS

No Windows Server 2008 R2, o Assistente para Migração também pode migrar as configurações dos seguintes grupos de recursos:

  • DFS-N (Namespace do Sistema de Arquivos Distribuído)

  • DTC (Coordenador de Transações Distribuídas):

  • Servidor do Serviço iSNS:

  • Enfileiramento de Mensagens (também chamado de MSMQ)

  • NFS (sistema de arquivos de rede)

  • Outro Servidor (ponto de acesso do cliente e armazenamento apenas)

  • Agente de Conexão de Área de Trabalho Remota

Observe que há outros processos de migração para servidores em cluster adicionais, por exemplo, servidores de impressão em cluster.

Opções para mover uma máquina virtual para outro nó com pouca ou nenhuma interrupção para clientes

No Windows Server 2008 R2, os clusters de failover fornecem várias formas para mover uma máquina virtual de um nó de cluster para outro:

  • Migração ao vivo: Ao iniciar uma migração ao vivo, o cluster copia a memória sendo usada pela máquina virtual do nó atual para outro nó, assim, quando a transição para o outro nó ocorre, a memória e as informações de estado da máquina virtual já estão no lugar. Normalmente a transição é rápida o suficiente para que o cliente usando a máquina virtual não perca a conexão de rede. Se você estiver usando os Volumes Compartilhados do Cluster, a migração ao vivo é quase instantânea, porque não há necessidade de transferência da propriedade de disco.

    Uma migração ao vivo pode ser usada para manutenções planejadas e não para um failover não planejado. Em um determinado servidor executando o Hyper-V, só é possível executar uma migração ao vivo (de ou para o servidor) em um dado momento. Por exemplo, se você tiver um cluster com quatro nós, poderão ocorrer simultaneamente até duas migrações ao vivo se cada uma delas envolver nós diferentes.

  • Migração rápida: Ao iniciar a migração rápida, o cluster copia a memória sendo usada pela máquina virtual para um disco no armazenamento, assim quando a transição para outro nó ocorre, a memória e as informações de estado necessárias para a máquina virtual podem ser rapidamente lidas no disco pelo nó que está obtendo a propriedade.

    Uma migração rápida pode ser usada para manutenções planejadas e não para um failover não planejado. É possível usar a migração rápida para mover várias máquinas virtuais simultaneamente.

  • Movimentação: Ao iniciar uma movimentação, o cluster se prepara para colocar a máquina virtual offline executando uma ação que você especificou na configuração do cluster para o recurso de máquina virtual:

    • Salvar (o padrão) salva o estado da máquina virtual, assim o estado pode ser restaurado quando a máquina virtual é colocada novamente online.

    • Desligar executa o desligamento ordenado (aguardando o encerramento de todos os processos) do sistema operacional da máquina virtual antes de colocar a máquina virtual offline.

    • Desligar (forçado) desliga o sistema operacional da máquina virtual sem aguardar o encerramento dos processos mais lentos e depois coloca a máquina virtual offline.

    • Desativar é o mesmo que desativar a energia da máquina virtual, o que significa que pode ocorrer perda de dados.

    A configuração que você especificar para a ação offline não afetará os recursos migração ao vivo, migração rápida ou failover não planejado. Afeta somente a movimentação (ou a colocação do recurso offline através de ação do Windows PowerShell ou de um aplicativo).

Preciso alterar algum código ou script existente para trabalhar com o Windows Server 2008 R2?

Se o aplicativo ou serviço executava em um cluster com o Windows Server 2008, não será necessário alterar o código para executá-lo em um cluster com o Windows Server 2008 R2. Se você tiver scripts com base no Cluster.exe, poderá continuar a utilizá-los no Windows Server 2008 R2, mas recomendamos que os cmdlets do Windows PowerShell sejam reescritos. Nas versões futuras, o Windows PowerShell será a única interface de linha de comando disponível para clusters de failover.

Como devo me preparar para implantar esse recurso?

Examine cuidadosamente o hardware em que planeja implementar um cluster de failover para garantir sua compatibilidade com o Windows Server 2008 R2. Isso é especialmente necessário se você estiver usando atualmente esse hardware para um cluster de servidores que execute o Windows Server 2003. Nem sempre um hardware com suporte para um cluster de servidores executando o Windows Server 2003 oferece suporte também para um cluster de failover que execute o Windows Server 2008 R2. Para obter mais informações, consulte Existe alguma consideração específica?, anteriormente neste tópico.

noteObservação
Não é possível executar uma rolagem de atualização de um cluster executando a plataforma Windows Server 2003 ou Windows Server 2008 para um cluster executando o Windows Server 2008 R2. Contudo, depois de criar um cluster de failover executando o Windows Server 2008 R2, você poderá usar um assistente para migrar determinadas configurações de recursos de ou para um cluster existente.

Se estiver planejando usar os Volumes Compartilhados de Cluster, configure o sistema operacional de cada servidor no cluster de modo que ele reinicie na mesma letra de unidade que todos os demais servidores no cluster. Em outras palavras, se um servidor inicializar a partir da letra de unidade C, todos os servidores no cluster devem iniciar a partir da letra de unidade C.

Que edições incluem o cluster de failover?

O recurso cluster de failover está disponível nas plataformas Windows Server 2008 R2 Enterprise e Windows Server 2008 R2 Datacenter. Ele não está disponível nos sistemas operacionais Windows Web Server 2008 R2 ou Windows Server 2008 R2 Standard.

Comments